Japão: curiosidades e costumes para saber antes de viajar

Japão: curiosidades e costumes para saber antes de viajar

11 de maio de 2019 0 Por Passagem Comprada

O Japão é um país super rico em cultura, tradições e costumes milenares, observados ainda hoje. Tudo isso se mistura com os avanços tecnológicos – que lá aparecem ainda mais do que nos outros países – e acaba resultando em um lugar incrível, cheio de coisas para descobrir e, quem sabe, aprender e tentar usar um pouquinho aqui ocidente.

Tradição japonesa
As japonesas gostam bastante de vestir trajes típicos para passear.
Japão Carro do Futuro
Carro do futuro em exposição na MegaWeb Toyota em Tóquio

O legal de viajar para lá, fora visitar lugares interessantes e ver paisagens bonitas, é ir descobrindo e se maravilhando (ou se espantando) com pequenos detalhes do dia-a-dia: coisas curiosas, diferentes, geniais e algumas que parecem bobas, mas que, juntas, resultam no modo de vida peculiar e todo especial dos japoneses.

Quero contar aqui algumas curiosidades que vi por lá e deixar dicas para quem quer viajar para o Japão já ir sabendo como se comportar frente a um povo tão respeitoso.

Eu diria que a maior diferença entre os japoneses e os ocidentais em geral está na educação. E não estou falando em colégio, estudos, etc, mas sim na educação que vem de casa.

Educação japonesa
Olha a serenidade das crianças votando da escola, mochila nas costas, mãos dadas e um sorriso no rosto (que eu apaguei pra preservar a privacidade deles, mas está lá). A cara da educação japonesa!

Por isso, antes de ir para o Japão, me preocupei bastante em descobrir atitudes que poderiam ser vistas como gafes sociais ou desrespeitosas, porque acho que a gente tem que se esforçar ao máximo para compreender e respeitar os costumes dos lugares que visita.

Quando cheguei lá, percebi que algumas das coisas que li realmente eram costumes praticados por eles, mas que se a gente, turista, não fizesse igual, ninguém olharia feio ou se ofenderia. Outras atitudes já se percebe que ofendem mesmo e são as que mais precisamos tentar observar.

Vou explicar tudo agora com calma em itens, contando algumas curiosidades no meio do caminho:

1) Na hora de pagar

Quando a gente chega no caixa para pagar itens comprados em uma loja, ou mesmo para pagar a conta em um restaurante, é considerado boa educação colocar o dinheiro em uma bandejinha fornecida para esse fim ou entregá-lo ao atendente com as duas mãos. Me esforcei bastante para obedecer a essa norma de etiqueta (felizmente com a ajuda dos japoneses, que já estendiam as duas mãos juntas para receber o dinheiro), mas confesso que em algumas ocasiões esqueci e entreguei o dinheiro com uma mão só. Em nenhuma dessas vezes recebi qualquer olhar feio ou repreensivo por parte dos caixas. Sempre fui atendida com muitos agradecimentos e muitos sorrisos. Ou seja, esse é um dos costumes que é legal observar, para ser o mais educado possível, mas que se você esquecer não será considerado tão feio assim (afinal, somos turistas!).

Costumes japoneses
Esse costume de usar as duas mãos serve para entregar qualquer coisa a alguém, não só dinheiro.

Ah, e não dê gorjeta!!! Não é costume no país e as pessoas sentem-se ofendidas!

2) Agradecimentos

Durante o período que fiquei no Japão, eu senti que o mais importante mesmo, ao se relacionar com qualquer pessoa – seja um vendedor, caixa de loja, garçom ou alguém na rua – é imitar os seus gestos de agradecimento: fazer várias reverências pequenas e dizer SEMPRE “Arigato Gozaimas(u)” (não se pronuncia o “u”), que significa “Muito Obrigado”. Eles ficam bem faceiros e simpáticos com a gente.

Aliás, algo me chamou muito a atenção: eles falam isso O TEMPO INTEIRO. Não só para clientes, mas entre eles mesmos (o que só demonstra como são educados). Quando você está em um restaurante (não chique, é claro), pode ter certeza que o som ambiente será muitos “gritos” de “ARIGATO GOZAIMAAAAS”. Isso porque normalmente a cozinha é aberta e a gente vê os cozinheiros trabalhando, o que envolve diversas interações entre eles, todas recheadas da expressão de agradecimento. Da mesma forma, cada vez que alguém levanta para sair do restaurante, todos os empregados (garçons, cozinheiros, auxiliares) agradecem a pessoa por ter estado ali. É bem interessante.

Cozinha no Japão
Cozinheiros trabalhando em frente aos clientes.

3) Gripes, resfriados e alergias

No Japão, é considerado rude assoar o nariz em público. Além disso, espirros e tosses devem ser dados da forma mais discreta possível, cobrindo completamente a boca e o nariz e, preferencialmente, usando máscaras se estiver gripado.

Se você não observar esses costumes, pode esperar alguns olhares reprovadores dos japoneses.

Até mesmo criancinhas de 5 ou 6 anos sabem cobrir o rosto na hora de tossir e espirrar. É muito bonitinho.

Então já sabe, se estiver gripado, compre uma máscara; se precisar assoar o nariz, vá ao banheiro ou faça bem discretamente, sem barulho; e se tossir ou espirrar, não esqueça de cobrir o nariz e a boca!!!

Máscaras no Japão
É beeeem comum ver pessoas usando máscaras no Japão. Elas são usadas para 3 finalidades principais: evitar transmitir doenças, evitar pegar doenças e se proteger do pólen na primavera.

4) Caminhar pela esquerda

No Japão, utiliza-se a mão inglesa no trânsito, ou seja, o motorista fica do lado direito do carro e os veículos transitam pela esquerda.

A mesma coisa se aplica para pedestres.

Ameya Yokocho
Nessa foto, tirada no mercado Ameya Yokocho em Tóquio, dá para ver direitinho as pessoas vindo pela direita e indo pela esquerda.

Sempre que houver uma grande quantidade de gente na rua, mas principalmente nas escadarias de metrôs, ande pelo lado esquerdo. Se quiser subir ou descer uma escada rolante paradinho, fique também do lado esquerdo, pois pela direita vão passar as pessoas que estão com pressa (e elas não ficarão nada felizes com você no caminho – mas não reclamarão, pois são japonesas e extremamente educadas).

Só um alerta: fique sempre ligado nas flechas desenhadas no chão e placas no teto, porque algumas vezes, dependendo do fluxo, o sentido pode mudar de um local para outro!!!

5) No metrô

Falando em metrô, na hora de se posicionar na plataforma, observe os sinais desenhados no chão ou dos lados das portas (nos lugares onde há uma espécie de mureta para evitar acidentes). Eles mostram exatamente onde a porta do trem vai abrir e quantas filas devem ser formadas ali para esperá-lo. Além disso, indicam se naquele vagão haverá assentos preferenciais.

Metrô em Tóquio
Plataforma de metrô em Tóquio, onde há barreiras de proteção para evitar que as pessoas caiam (ou pulem) nos trilhos.

Fique na fila, espere todos descerem do metrô quando a porta abrir, e só depois, calmamente, entre no trem. Nada de correria, afobação, embolamento na porta. Lá todo mundo é civilizado e espera a sua vez, sem empurra-empurra.

Na hora de descer, uma mínima indicação para a pessoa da frente no sentido de que você precisa passar, fará com que ela se afaste. Não precisa empurrar!! De verdade!!!

E cuidado com mochilas: elas devem ser retiradas das costas e colocadas em frente ao corpo ou nos pés. Não é nada educado ficar batendo com a mochila nos outros sem nem perceber!

Outra coisa: dentro dos metrôs o silêncio é quase absoluto. Cada um fica mexendo no seu celular, com fones de ouvido, e não fala nada! Claro que quem está acompanhado às vezes conversa, mas é sempre bem baixinho, sem incomodar em nada as outras pessoas.

Metrô no Japão
Cena típica de um metrô no Japão (esse está vazio, mas normalmente é bem cheio, principalmente em Tóquio)

6) Esperar o sinal para atravessar a rua

Esse é um dos mais fortes exemplos de atenção às regras no Japão.

Ninguém atravessa a rua quando o sinal para pedestres está vermelho. NINGUÉM. Pode ser a menor rua do mundo, no lugar mais deserto do universo: as pessoas ficarão esperando pacientemente para atravessar, ainda que isso faça elas ficarem paradas por 5 minutos no mesmo lugar sem passar nenhum carro.

Rua no Japão

E experimente atravessar! Você receberá olhares incrédulos, reprovadores, confusos, tudo misturado. Eles não acreditam, não entendem que é possível alguém ir contra o sinal de trânsito perfeitamente claro na sua frente.

Então já sabe: paciência!!!

7) Fumar na rua

Os japoneses fumam bastante mas, curiosamente, não é permitido fazer isso na rua – existem multas para punir os infratores. Em razão disso, são oferecidos locais específicos para fumar, claramente demarcados (a maioria diz em inglês “SMOKING AREA”).

O mais interessante é que diversos bares e restaurantes permitem o consumo de cigarros nas mesas!

Smoking Area Japão
Essa é uma cabine para fumantes perto da estação de Shinjuku, em Tóquio. O reflexo atrapalha um pouco, mas dá para ler ali à direita: “smoking area”.

8) Lixo

Questão chata e curiosa do Japão. Não há lixeiras nas ruas. Quem produz lixo tem que carregá-lo até em casa para fazer o devido descarte.

Mesmo em shoppings, estações de metrô e pontos turísticos é bem difícil encontrar uma lixeira. E nos banheiros também não tem: o papel deve ser jogado no vaso. Além disso, não tem papel para secar as mãos, então pra que lixeira né?? Existem apenas umas caixinhas pequenas, automáticas, onde só é possível descartar absorventes (não cabe mais nada ali dentro).

Perto das máquinas de venda de bebidas, há lixeiras só para garrafas ou latas, então nem pense em colocar outras coisas ali.

Os melhores locais para encontrar latas de lixo são estabelecimentos onde há mesas para comer: algumas lojas de conveniência, McDonald’s, Starbucks e lugares que vendem comida de rua (nesses casos as pessoas comem de pé em frente ao restaurante e já colocam o lixo por ali mesmo).

Por sinal, mais uma convenção social do Japão: não é bem visto andar comendo pela rua. Se comprar comida para levar, coma no local designado em frente ao estabelecimento ou procure um parque ou algo assim para fazer um piquenique.

Caminhar e comer ao mesmo tempo são coisas que não ocorrem no Japão!

Piquenique no Japão
Os japoneses adoram um bom piquenique, ainda mais na primavera, sob as cerejeiras em flor!

Banheiros no Japão

Vou encerrar contando um pouquinho sobre a experiência de ir ao banheiro no Japão, que, embora não tenha muito a ver com observar normas sociais, é uma questão bem interessante.

Primeiro, existem dois tipos de banheiros por lá: em estilo oriental, que é um buraco no chão protegido por uma louça parecida com um mictório (para se fazer as necessidades de pé ou de cócoras), e em estilo ocidental (nunca vi nada parecido aqui no ocidente, mas tudo bem), que é um vaso sanitário como o que a gente está acostumado, mas completamente tecnológico.

Explico.

Os banheiros em “estilo ocidental” contam com um painel digital, onde você pode escolher aquecer o assento, tocar algum som para disfarçar eventuais barulhos, ligar jatos de água para fazer sua higiene íntima, ativar uma limpeza geral do vaso sanitário com um desinfetante e, é claro, puxar a descarga. Nem todas essas opções estão presentes em todos os vasos, mas a maioria oferece algumas delas.

Às vezes, ao entrar na cabine a tampa do vaso já se abre automaticamente para a gente não ter que encostar em nada. Na hora de sair, a descarga é acionada automaticamente e a tampa se fecha novamente.

O pequeno lixo do banheiro (apenas para absorventes higiênicos) tem tecnologia semelhante: basta agitar a mão em frente para que uma pequena comporta se abra para o depósito do lixo. Depois, é claro, se fecha sozinha.

Fora isso, diversas cabines possuem um local específico, tipo uma cadeirinha, para colocar crianças pequenas sentadas enquanto esperam os pais utilizarem o sanitário. Tudo muito bem pensado!

Banheiro no Japão

O mais incrível é que esses banheiros estão em todos os lugares: em praças e parques, estações de metrô, shoppings, lojas de departamentos e hotéis.

A dica é que, em um mesmo banheiro, pode haver cabines em estilo oriental (buraco no chão) e em estilo ocidental. Geralmente há alguma indicação na porta das cabines, então dê uma boa olhada e espere vagar o banheiro bom (porque me desculpe, mas buraco no chão não é pra mim).

Por fim, uma curiosidade: não há papel para secar as mãos nos banheiros no Japão (como eu já disse mais acima), e são pouquíssimos os que oferecem aquelas máquinas de secar com vento. Por isso, todos os japoneses carregam consigo toalhinhas de mão. É bem fácil de encontrá-las para vender (inclusive nas lojas de tudo por 100 ienes – US$ 1,00), então sugiro que você já compre uma no primeiro dia no país, especialmente se for inverno (porque as mãos gelam mesmo se sair com elas molhadas no frio!!!).

E aí, ficou surpreso com alguma coisa? Conhece outras dicas de comportamento no Japão? Compartilha com a gente ali nos comentários!

Leia também: